Seguidores

Translate - Tradutor

Seguir por Email

Volte sempre!


Fale Conosco 
 

Atenção. Importante!

Alguns Textos, Mensagens e Imagens foram retirados de variados sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.

A real intenção do blog Grupo Boiadeiro Rei não é de plágio, mas sim de espalhar Conhecimento e Espiritualizar...

 
TODO ACERVO DE MATERIAL DE ESTUDOS DO GRUPO DE ESTUDOS BOIADEIRO REI ESTA NO SERVIDOR ISSUU DEVIDO AO GRANDE NUMERO DE INFORMAÇÕES DA RELIGIÃO ACESSE - O LINK EBOOKS A BAIXO 
 
LlNK:
 

Pesquisar

Leia Também em nosso Site

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Se despir para se vestir e revestir de AXÉ


Axé turma! O clima está mudando… está mais frio, as noites estão mais geladas, o sereno nos visita e, mais uma vez, vivenciamos a São Paulo da garoa.
Consequentemente, os ambientes ficam mais fechados, os agasalhos saem dos armários, os sapatos fechados e emborrachados são mais usados, gorros, luvas, xales, cachecóis começam a fazer parte da paisagem e assim por diante, nada de mais e ainda necessário nesses dias tão frios. No entanto, para os trabalhos caritativos espirituais, para a Umbanda, ou melhor, para uma gira de Umbanda, essas vestimentas atrapalham consideravelmente todo um trabalho.
É fato, a Umbanda movimenta intensa energia, seja nas defumações transformando e harmonizando a energia do ambiente, seja no nosso campo energético, emocional e espiritual com os passes espirituais, projeções energéticas naturais, danças e movimentos, seja durante os cantos, incorporações ou  rezas. Tudo, até mesmo um ingênuo estalar de dedo ou uma simples forma de pisar no chão, tem e projeta uma energia específica capaz de efeitos surpreendentes.
Portanto, quando um consulente entra em consulta vestido com aquele ‘super’ casaco de nylon, couro, preto, cinza, entre outros, a energia projetada pelo Guia Espiritual, aquela que é irradiada pelas palmas das mãos, pelo estalar dos dedos, pela pemba, pedras, erva ou fumaça, é bloqueada pelo casaco, pelo elemento plástico do nylon e ainda absorvido pela cor preta por exemplo, não alcançando o campo áurico e o duplo etérico da pessoa.
O Guia até tenta projetar a energia estalando mais e mais forte os dedos, trabalhando nos lugares descobertos como as palmas das mãos do consulente, enfim, o Guia se esforça, mas fica muito mais difícil a troca e irradiação energética.
A mesma coisa e ainda pior acontece com os sapatos que, além dos consulentes usarem mais fechados ou se recusarem a tirá-los ao entrar no congá devido ao frio, os próprios médiuns muitas vezes usam sapatilhas, meias ou tênis com solados de borracha o que propicia um isolante entre o médium/consulente e a terra/chão perdendo toda a energia de descarga, proteção e equilíbrio que a terra propicia para nós, médiuns e consulentes.
Reflitam, a terra, ou seja, o chão do terreiro representa uma espécie de ‘fio terra’ nos descarregando diante de uma sobrecarga negativa, também é através dela que recebemos fluxos magnéticos ancestrais, como as irradiações de Obaluaye, orixá da terra e água; vibração de Exu, força terra e fogo; qualidade de Obá, orixá guerreira que vibra através da terra e ar; Oxóssi, terra e vegetal; Nanã, água e terra… Enfim, a Terra é intensa e importante energia que, por falta de orientação, instrução e percepção, é isolada com uso da borracha que muitas vezes está nos solados dos calçados dos médiuns e consulentes, portanto, um descuido exacerbado.
Muitas vezes ainda, os xales, cachecóis, gorros e luvas também dificultam o trabalho espiritual e energético dos Guias. Já presenciei, por exemplo, a dificuldade de um Guia para cruzar o chacra laríngeo de um consulente que usava um belíssimo cachecol durante a consulta, e a mesma coisa se dá com os gorros que fecham a visão e sensibilidade do chacra coronário, ou ainda com os xales que, além das mesmas dificuldades é um perigo quando os relacionamos com as velas, ou seja, o fogo. Forte e imprescindível elemento natural usado pela Umbanda em suas giras.
Solução…
A melhor solução é que os consulentes tirem seus casacos, acessórios de inverno, calçados e venham de coração quente e pulsando ao encontro dos Guias.
Que os médiuns, na necessidade do calçado procurem solados naturais e na não necessidade, que sintam a força e o verdadeiro prazer em pisar na terra sagrada de seu terreiro.
Por fim, que os dirigentes, sacerdotes, mães e pais espirituais se preocupem com as giras promovendo melhor assimilação, absorção e manifestação de todos e, deste modo, que orientem a assistência, instruam seus médiuns e vivifiquem o Sagrado, a Força, o Mistério e o Encanto da Umbanda em seu terreiro.
Escrito por Monica Caraccio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aceitamos comentários edificantes. Siga seu caminho em paz, se essa não é sua crença.

Obrigado!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

“A Umbanda não é responsável pelos absurdos praticados em seu nome, assim como Jesus Cristo não é responsável pelos absurdos que foram e que são praticados em Seu nome e em nome de seu Evangelho.”


SIGNIFICADOS QUANTO AO FORMATO DA VELA



 
Cones ou Triangulares: equilíbrio, elevação.
Quadradas: estabilidade, matéria.
Estrela: espiritual, carma.
Pirâmide: realizações matérias.
Cilíndricas: servem para tudo.
Animais: para o seu animal protetor.
Lua: para acentuar sua energia intuitiva.
Gnomo: para seu elemental da terra.
Cone ou Triangulares: simbolizam o equilíbrio. Tem três planos: físico, emocional e espiritual.
Velas Cônicas: são voltadas para cima e significam o desejo de elevação do homem, sua comunicação com o cosmos.
Velas Quadradas: Simbolizam estabilidade na matéria. Seus lados iguais representam os quatro elementos: Terra, Água, Fogo, Ar.
Velas em Formato de Estrela de Cinco Pontas: É o símbolo do homem preso na matéria. Representa o carma.
Velas Redondas: Simbolizam mudança. E a energia mais pura do astral que só a mente superior alcança.