Seguidores

Translate - Tradutor

Seguir por Email

Volte sempre!


Fale Conosco 
 

Atenção. Importante!

Alguns Textos, Mensagens e Imagens foram retirados de variados sites, caso alguém reconheça algo como sua criação e não tenha sido dado os devidos créditos entre em contato.

A real intenção do blog Grupo Boiadeiro Rei não é de plágio, mas sim de espalhar Conhecimento e Espiritualizar...

 
TODO ACERVO DE MATERIAL DE ESTUDOS DO GRUPO DE ESTUDOS BOIADEIRO REI ESTA NO SERVIDOR ISSUU DEVIDO AO GRANDE NUMERO DE INFORMAÇÕES DA RELIGIÃO ACESSE - O LINK EBOOKS A BAIXO 
 
LlNK:
 

Pesquisar

Leia Também em nosso Site

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Atos, Construções, Significados e a INVISIBILIDADE


Axééé… É fato, nesse exato momento muitas pessoas estão lamentando, murmurando ou reclamando, intimamente ou externamente, o fato de não serem ouvidas, percebidas ou levadas em consideração.

É, muitos se encontram tristes, desestimulados e quem sabe, magoados pela falta de reconhecimento e pela falta de esperança.

Portanto, para tentar quebrar esse “clima”, para que compreendamos melhor nossa “função”, nossa verdadeira condição e importância, compartilho com vocês esse vídeo que, para mim, é um dos mais significativos que já assisti. Chama-se “mulher invisível” e está sendo recomendado pela Pastoral Familiar RJ pelas várias reflexões que sugere, é um vídeo que contêm belos enfoques espirituais e um grande despertar de Fé.

Espero que gostem e que compreendam a grandeza de qualquer ato, a importância do bem construir, o significado de enxergar “catedrais” e de entender principalmente que os atos, as construções e os significados são e serão na verdade, visto por Deus, é Ele que está e sempre estará nos observando. Ele é quem sabe de tudo, o que fazemos, o que não fazemos, o que falamos, o que pensamos, o que verdadeiramente somos.

Como disse, para mim esse vídeo é dos mais inspiradores e proporciona um acalento todo especial para aqueles momentos que nos sentimos indiferentes, injustiçados, cansados e invisíveis.

Espero também que nos auxilie e nos estimule no “construir” de lindas catedrais, sejam elas familiares, profissionais, religiosas ou “apenas” Humana, aquelas com capacidade de aceitar, respeitar, amar e esperar.

E, pedindo licença a todos os amigos leitores, quero mais uma vez parabenizar todos os “novos” umbandistas que se batizaram e se converteram à Umbanda nesse 12 de outubro de 2011, assim como parabenizar todos que confirmaram mais que sua Fé, “Confirmaram Nossa Umbanda” e dizer que agora, mais do que nunca, vossas catedrais ganharam pilares preciosos, ganharam Força e AXÉ, portanto, arregacem as mangas e vamos juntos fazer um pouco por “Aquele” que tanto faz por nós, seja “Ele” Deus, Zambi ou Olorum.

Vamos aproveitar a voz embargada, os olhos cheios d’água, as pedras vivas da vida e construir algo de diferente, de especial, de belo para nosso futuro, para nossos filhos, netos e bisnetos, para a Humanidade…

Vamos aproveitar todas as vezes que as nuvens derem passagem ao céu azul e a luz branca inundar nossa catedral interna para “abrir” nossa gira de fé e crença. E se por acaso as nuvens não derem essa passagem, vamos aproveitar para abrir nossa catedral externa de compaixão e permitir ela abra o céu e inunde de luz branca a catedral de muitas outras pessoas.

Muita inspiração e persistência a todos…. Axéééé….

Tudo foi acontecendo aos poucos. Eu Falava e ninguém ouvia. Eu dizia: “Desliguem a TV, por favor.” E nada. Então eu gritava: “Desliguem a TV, por favor!” E depois de repetir várias vezes, eu mesma tinha que desligá-la. Eu percebi isso em outras situações. Meu marido e eu estávamos numa festa há horas, eu já estava pronta para ir embora e fui saindo. Ele estava conversando com um amigo e continuou conversando. Ele nem se virou. Foi então que eu percebi, ele não consegue me ver. Eu sou INVISÍVEL! Eu sou INVISÍVEL!

Eu fui notando cada vez mais. Eu levava meu filho para a escola e a professora perguntava: “Jake, quem é essa com você?” E ele dizia: “Ninguém!” Ele só tem cinco anos e eu já sou: “Ninguém!”

Numa noite dessas, nosso círculo de amizades se reuniu celebrando a volta de uma amiga da Inglaterra. Janice contava tudo sobre a viagem e eu olhava as outras mulheres na mesa. Eu tinha me maquiado no carro, usava um vestido qualquer e meu cabelo sujo estava com um prendedor velho. Estava me sentindo ridícula. Janice veio até mim, e disse: “Eu te trouxe isto.” Era um livro sobre as grandes catedrais da Europa. Eu não entendi até ler a dedicatória: “Com admiração, por tudo de bom que você constrói e ninguém vê.” Não se sabem os nomes de quem construiu as grandes catedrais. Você procura, mas só acha: “Construtor desconhecido, desconhecido.” Eles completaram obras sem saber se jamais seriam reconhecidos.

Há uma história sobre um dos construtores que estava esculpindo um passarinho que seria coberto por um telhado. Alguém lhe disse: “Por que gastar tanto tempo fazendo algo que ninguém verá?” E aqui diz que ele respondeu: “Porque Deus vê!” Eles acreditavam que Deus vê tudo. Deram sua vida por obras que nunca viram concluídas. Algumas catedrais levaram mais de 100 anos para ficarem prontas. Isso é muito mais que uma vida útil de um trabalhador. Sacrificaram-se dia após dia para não terem qualquer reconhecimento. Numa obra que não veriam concluída. Um dos escritores chega a dizer que nenhuma grande catedral será novamente erguida, porque há pouquíssimas pessoas dispostas a tanto sacrifício.

Eu fechei o livro e era como se Deus me dissesse: “Eu te vejo! Você não é invisível para mim. Nenhum sacrifício é tão pequeno que eu não veja. Eu sorrio ao ver cada bolo, cada botão pregado. Vejo cada lágrima de decepção quando as coisas vão mal. Mas lembre-se: você está construindo uma catedral. Ela não ficará pronta durante a sua vida. E, infelizmente, você nunca entrará nela. Mas se você construí-la bem, eu entrarei.”

Às vezes, a invisibilidade me afligia. Mas entendi que ela não é a doença que apaga a minha vida. Ela é a cura para a doença do egocentrismo. É o antídoto para o meu orgulho. Não importa se os outros não me vêem. Não importa se meu filho não disser a um amigo que for lá em casa: “Você não vai acreditar no que a minha mãe faz: Ela acorda às quatro da manhã, cozinha, passa roupa…” Ainda que eu faça tudo isso. Eu quero que meu filho se sinta feliz ao voltar pra casa e diga a seu amiguinho: “Você vai adorar ir lá em casa!” Não importa se os outros não me vêem. Não trabalhamos para as pessoas, trabalhamos para Deus. Sacrificamos-nos por Ele. Os outros nunca prestarão atenção, por melhor que trabalhemos. Fique como um monumento para o nosso Deus!

Escrito por Monica Caraccio

Fonte: Minha Umbanda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aceitamos comentários edificantes. Siga seu caminho em paz, se essa não é sua crença.

Obrigado!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

“A Umbanda não é responsável pelos absurdos praticados em seu nome, assim como Jesus Cristo não é responsável pelos absurdos que foram e que são praticados em Seu nome e em nome de seu Evangelho.”


SIGNIFICADOS QUANTO AO FORMATO DA VELA



 
Cones ou Triangulares: equilíbrio, elevação.
Quadradas: estabilidade, matéria.
Estrela: espiritual, carma.
Pirâmide: realizações matérias.
Cilíndricas: servem para tudo.
Animais: para o seu animal protetor.
Lua: para acentuar sua energia intuitiva.
Gnomo: para seu elemental da terra.
Cone ou Triangulares: simbolizam o equilíbrio. Tem três planos: físico, emocional e espiritual.
Velas Cônicas: são voltadas para cima e significam o desejo de elevação do homem, sua comunicação com o cosmos.
Velas Quadradas: Simbolizam estabilidade na matéria. Seus lados iguais representam os quatro elementos: Terra, Água, Fogo, Ar.
Velas em Formato de Estrela de Cinco Pontas: É o símbolo do homem preso na matéria. Representa o carma.
Velas Redondas: Simbolizam mudança. E a energia mais pura do astral que só a mente superior alcança.